Quando a moda prejudica a saúde




Quando o assunto é moda, estamos sempre de olho em tudo que está acontecendo. Nas últimas tendências, as peças da temporada e o que as celebridades estão e vão usar na próxima estação, seja para nos adaptarmos ás novidades ou até mesmo porque temos que estar na moda a qualquer custo. Mas até onde isso é saudável? Até onde essa é uma escolha nossa ou uma imposição do mercado? Até onde “estar na moda” ou “ter as coisas que estão na moda” reflete nossos verdadeiros sentimentos?



Minha aparência reflete que eu sou?


A identidade é o que nos diferencia de todas as outras pessoas e ela pode se expressar de várias maneiras, seja pela nossa aparência física, pelas roupas que usamos ou pela maneira que nos comportamos. E é claro que na hora de escolhermos o que vamos vestir, algumas pessoas nos servem de referência e inspiração e não há nada de errado com isso, mas lembre-se de que você é você e não ela. Ou seja, inspire-se, mas não copie e nem busque ser exatamente igual a outra pessoa.


A busca por uma imagem idealizada, um padrão de beleza imaginário ou mesmo irreal faz com que muitas pessoas tomem atitudes extremas e até mesmo doentias, como por exemplo, se sujeitar a cirurgias plásticas desnecessárias, dietas malucas e comportamentos que não refletem seu verdadeiro eu. Essas pessoas acreditam ter uma identidade diferente da sua própria, fazem tudo o que for necessário para ficarem cada vez mais iguais ao “ser idealizado” e não se dão conta que aos poucos vão se afastando cada vez mais do seu verdadeiro eu e de todas as suas referências, seja de personalidade ou mesmo gostos pessoais.


O fato de você usar uma roupa igual a de outra pessoa não significa que você deixou de ser você ou perdeu sua identidade, isso é normal e é assim que as coisas funcionam. Se eu vejo você usando uma blusa “diva”, é claro que vou querer usá-la também. E uso, mas coloco nela o meu jeito, o meu estilo, a minha “cara”, ou seja, a blusa é igual a sua, mas eu não.



As suas referências na moda devem lhe trazer inspiração e você deve usá-las a seu favor, se valorizando e realçando ainda mais a sua beleza, mantendo sempre o seu jeito e seus gostos pessoais. Assim, você não será a cópia de alguém, sem brilho e sem identidade, será a mais pura expressão de si mesma.



PORQUE SERÁ QUE EU COMPREI ISSO?



Poder fazer compras, se dar presentes ou mesmo usar roupas e acessórios que são a última moda, em alguns casos pode não ser tão prazeroso quanto parece. Por trás das compras, existem vários sentimentos que vão desde a vontade ou necessidade de ter algo até a satisfação pessoal pela aquisição feita. Em muitos casos esse sentimentos se confundem e podem até passar despercebidos.


É verdade!!! Todas nós, em algum momento, já compramos alguma coisas que na verdade não precisávamos e até nos arrependemos disso depois. A questão é, porque será que compramos? Como nos sentimos após a compra e ao nos arrependermos dela?



Inúmeros são os motivos que nos levam a comprar: a diversão, a necessidade, a importância, o status, a moda e inclusive o apelo mercadológico do comércio. Mas para alguns, o consumo pode ser apenas pelo simples prazer em comprar , em adquirir algo, não importando o que ou para que serve. É a famosa compra por impulso, onde o desejo de comprar está diretamente ligado a satisfação da vontade, não importando a necessidade ou utilidade do bem adquirido. Na maioria das vezes, esse tipo de compra não traz maiores prejuízos ou consequências, porém, em situações específicos pode ser o indicio de alguma coisa não vai bem.





Nesses casos, a compra vem associada a sentimentos como angústia, insatisfação, insegurança, tristeza e o mais comum deles, a frustração. Seria uma tentativa de diminuir esse desconforto e trazer uma sensação de alívio, o que nem sempre acontece. O que se vê quando as pessoas chegam em casa, no momento “pós compra”, são sentimentos de culpa, remorso, vergonha e vazio.


Então pare e preste atenção em você, se por ventura algum desses sentimentos está lhe incomodando é hora de mudar o foco. Pense que o momento de fazer compras deve ser prazeroso e divertido. O vestido, a blusa, o sapato, a maquiagem, etc, que você comprou devem lhe trazer felicidade e aquela sensação de que você “não vê a hora de usar”. Lembre-se de que para se sentir feliz talvez uma única compra seja o suficiente e não a loja toda. O satisfação deve ser em razão do que tem dentro da sacola e não necessariamente da quantidade de sacolas.


Achou o artigo interessante?

Você concorda ou não que a moda, em alguns casos, prejudica a saúde?

#moda #beleza #saude #compraporimpulso

F.: (51) 99917.67.87
  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Google+ Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon
  • instagram jpg
  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Google+ Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon
  • instagram jpg
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now